Liderança Xavante denuncia omissão do Governo de Mato Grosso

Mara Barreto Sinhowawe Xavante denunciou descaso com a população indígena durante o Acampamento Terra Livre - Isis Geanyne/Divulgação

01 de maio de 2024

09:05

Ana Pastana – Da Agência Cenarium

CUIABÁ (MT) — A liderança indígena Mara Barreto Sinhowawe Xavante discursou no Acampamento Terra Livre (ATL), finalizado no último final de semana, em Brasília (DF), e criticou a atual gestão do governador Mauro Mendes (União Brasil) por omissão em relação aos direitos dos povos indígenas e por beneficiar empresas do setor do agronegócio.

Segundo a ativista ambiental, os povos indígenas do Estado estão esquecidos em relação às políticas públicas. “O nosso povo está morrendo, estamos com problemas graves de saneamento básico”, relatou no discurso.

Com três biomas, Pantanal, Cerrado e Pantanal, o Estado também abriga 43 povos indígenas. O povo Xavante tem a maior quantidade, com uma população de cerca de 14 mil pessoas.

“Essa é uma denúncia minha, como mulher Indígena, liderança feminina Xavante, jornalista, ativista e ambientalista, representando a voz do meu povo Auwé Uptabi e muitas outras etnias da nossa diversidade étnica do Estado de Mato Grosso, que também vivem essa realidade na pele e não estão de acordo com as ações e forma de governo da gestão do governador Mauro Mendes”, disse à AGÊNCIA CENARIUM.

Mauro Mendes está no segundo mandato em MT – Mayke Toscano/Secom-MT

Ela ainda aponta que a primeira-dama, Virginia Mendes, tem ações de doações de cestas básicas, mas nenhuma política específica para a autonomia indígena. “Não existem projetos implementados dentro dos nossos territórios que venham gerar é uma autonomia de vida, principalmente, autonomia alimentar. Essas cestas básicas, na verdade, são venenos para nós indígenas, porque temos propensão a diabete e na nossa etnia Xavante, por exemplo, até as crianças estão doente de diabetes”, disse a ativista.

A reportagem procurou a Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc-MT) para saber sobre políticas implementadas ou a serem desenvolvidas relacionadas aos povos indígenas. Conforme a pasta, há o “Programa SER Família Indígena” que atende aldeias Xavantes localizadas na Terra Indígena Parabuburê, em Campinápolis.

O programa repassa às famílias indígenas, por meio de cartão de transferência de renda, o valor de R$ 220 a cada dois meses. O benefício proporciona a aquisição de alimentos próprios da cultura indígena e que não estão inseridos nas cestas de alimentos entregues pelo governo, com o auxílio do município, por meio do Programa SER Família Solidário.

O ATL

O Acampamento Terra Livre, a maior Assembleia dos Povos e Organizações Indígenas do Brasil, ocorre desde 2004, ocorrendo regularmente todo mês de abril em Brasília e, excepcionalmente, em outro mês e em outra unidade da federação, dependendo da análise conjuntural nacional e da situação dos direitos indígenas e das deliberações dos dirigentes e organizações de base do movimento indígena.

Leia mais: Com saúde terceirizada, Justiça nega uso de hospital particular pelo município de Vilhena, em Rondônia
Editada por Aldizangela Brito