Menu

Sociedade Ministro da Saúde diz que Amazonas é referência no combate à Malária

Solenidade ocorreu no Centro de Convivência da Família Padre Vignola. (Gabriel Abreu/ CENARIUM)

Gabriel Abreu – Da Agência Cenarium

MANAUS – O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse em Manaus, neste sábado, 6, que o Amazonas é referência no assunto quando se trata do combate à Malária. “Vocês são referência no assunto”, destacou Queiroga. O evento é uma mobilização social de educação em saúde, promovida pelo Ministério da Saúde, em parceria com o Governo do Estado, por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP).

O evento conta com oito estandes coordenados pelas instituições parceiras da FVS-RCP engajadas no combate à malária: Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM), Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc-AM), Secretaria Municipal de Saúde de Manaus (Semsa-Manaus) e Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).  

Além da capital, a mobilização acontece, simultaneamente, nos municípios do interior, sob a coordenação das secretarias municipais de Saúde. “O Brasil, nos últimos tempos, tem avançado e isso se deve ao Sistema Único de Saúde (SUS). Com o SUS, conseguimos reduzir a mortalidade infantil, aumentar a expectativa de vida dos brasileiros e, com a ajuda de vocês, vamos conseguir erradicar a malária. Não vim falar de como fazer isso, porque isso é vocês que sabem fazer”, disse o ministro Queiroga.

Programação

Os estandes, no Centro de Convivência, contam com exposições sobre o ciclo biológico do vetor da malária e as ações para o controle da doença, incluindo mostras de mosquiteiros impregnados, bombas para borrifação de inseticidas e do material utilizado para o teste de diagnóstico rápido. Será possível visualizar, ainda, o Plasmodium (protozoário causador da doença) por meio de gota espessa no microscópio, em imagem projetada em televisor.

Também contemplam ações educativas, como jogos infantis com informações sobre a malária, e exposições dos trabalhos realizados pela FVS-RCP, FMT-HVD, Inpa e do Ministério da Saúde, que vai abordar o Programa Nacional de Prevenção e Controle da Malária (PNCM).

Cenário epidemiológico

Os dados epidemiológicos da FVS-RCP mostram que, de janeiro a outubro de 2021, foram notificados 46.842 casos da doença. O total representa uma redução de 7% em relação ao mesmo período de 2020, quando foram notificados 50.418 casos.

 Ao todo, 14 municípios são responsáveis por 80% dos casos da doença, no Amazonas, sendo eles: Barcelos (7.535), São Gabriel da Cachoeira (7.120), Manaus (3.685 Casos), Tefé (2.779), Tapauá (2.475), Carauari (2.014), Santa Isabel do Rio Negro (1.877), Coari (1.717), Lábrea (1.577), Maués (1.576), Canutama (1.502), Guajará (1.454), Atalaia do Norte (1.382) e Humaitá (1.242).

A diretora-presidente da FVS-AM, Tatyana Amorim, reforçou a importância das medidas protetivas individuais para a prevenção da doença. “O Amazonas ainda é responsável pelo maior número de casos da doença no País, como também é o Estado com a maior parte da Floresta Amazônica, sendo esse um agravo que atinge, majoritariamente, populações residentes em áreas rurais. O nosso desafio é conciliar isto, preservar a saúde da população rural, permitindo que ela conviva de maneira saudável e harmoniosa com a floresta, sem destruir a natureza”, ressaltou Tatyana.

Para o chefe de Departamento de Vigilância Ambiental da FVS-AM, Elder Figueira, o Dia da Malária nas Américas é uma data importante para mobilizar a sociedade e, em especial, os profissionais de saúde em torno do controle e combate à doença.

“O Amazonas é pioneiro no tratamento do novo medicamento de tratamento da malária vivax, com a tafenoquina, sendo ela mais uma estratégia para o combate à doença, como forma de promover a saúde aos seus cidadãos, e um passo adiante na eliminação deste tipo de malária, mais comum na nossa região”, disse Elder.

Sobre a data

O Dia da Malária nas Américas ocorre, anualmente, no dia 6 de novembro e foi estabelecido pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), em 2007, após a 27ª Conferência Sanitária Pan-Americana. O combate à doença é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU).