Profissionais da educação pressionam governo e ameaçam greve em Mato Grosso

17 de maio de 2024

21:05

Davi Vittorazzi — Da Revista Cenarium

CUIABÁ (MT) — Os profissionais da educação de Mato Grosso estão pressionando o Governo Estadual para discutir pautas prioritárias do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT). O presidente do sindicato, Valdeir Pereira, cobra uma posição do Executivo e ameaça pautar a greve no Estado.

A cobrança visa avançar nas propostas do sindicato para a valorização salarial com ganho real. Também busca a realização de concurso público para contratação em cargos da carreira e o fim do confisco das aposentadorias e pensões.

Em coletiva de imprensa, nessa quinta-feira, 16, o presidente do sindicato acusou o governador do Estado, Mauro Mendes (União Brasil) de ser “antidemocrático”, por estar se negando em dialogar com a categoria. O sindicalista reivindicou que o governador corrija a “injustiça” que tem penalizado os aposentados e pensionistas.

Presidente do sindicato, Valdeir Pereira, deu entrevista coletiva (Edevealdo José/Sintep-MT)

“Em um Estado rico como é Mato Grosso, a gente vem acompanhando de maneira sistêmica o empobrecimento dos trabalhadores pela não aplicação de anos anteriores da Revisão Geral Anual [RGA], que soma mais de 20% de arroxo salarial que se perdeu na remuneração, e nós apresentamos no ano de 2023, uma pauta para o governo para valorizar efetivamente todos os trabalhadores e essa pauta prevê a aplicação da inflação do período que seria a Revisão Geral Anual e também um ganho real de 9,16% para que realmente valorize o conjunto dos trabalhadores, que são os nossos aposentados, aqueles que estão efetivamente dentro das nossas escolas”, destacou Valdeir.

O sindicalista criticou a metodologia utilizada pelo governo para reajustar o salário, apenas por meio da gratificação de resultado de desempenho e por aumento da jornada de trabalho dos profissionais, de 30 para 40 horas. O Sintep avalia que essa forma não é a mais adequada para a valorização salarial da categoria.

Mauro Mendes está em viagem aos Estados Unidos. Em resposta ao Sintep, o governador em exercício Otaviano Pivetta (Republicanos) afirmou que o governo está aberto ao diálogo. “Creio eu que não há motivo para greve. Nós estamos abertos, mas queremos vincular qualquer aumento de salário, porque o Estado já tem um salário razoável, à nossa educação que merece melhorar muito”, frisou.

O sindicato vai realizar uma assembleia-geral na segunda-feira (20), em frente a Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso, no Centro Político Administrativo, para discutir as pautas.

Leia mais: Educação especial para indígenas ainda é lacuna no Mato Grosso, diz professor Balatiponé
Editado por Aldizangela Brito