Psiquiatra de Adélio Bispo vai atuar na defesa de mãe e irmão de Djidja Cardoso

Ademar Cardoso, Adélio Bispo, Hewdy Lobo Ribeiro e Cleusimar Cardoso (Composição de Weslley Santos/CENARIUM)

06 de junho de 2024

15:06

Adrisa De Góes – Da Agência Cenarium

MANAUS (AM) – O médico psiquiatra forense Hewdy Lobo Ribeiro, responsável pelo laudo psiquiátrico de Adélio Bispo de Souza – autor da facada em Bolsonaro, em 2018, vai atuar junto à defesa da mãe e do irmão da ex-dançarina do Boi Garantido Djidja Cardoso, Ademar Cardoso e Cleusimar Cardoso, respectivamente, além da gerente do salão Belle Femme, Verônica Seixas.

Quando assumiu o caso, o advogado criminalista Vilson Benayon afirmou à REVISTA CENRIUM que a defesa da família iria atuar para tentar comprovar a dependência químicas dos envolvidos, por meio de exames toxicológicos, além do incidente de insanidade mental, uma ferramenta processual que serve para verificar a higidez mental da pessoa investigada.

LEIA TAMBÉM:
Caso Djidja: maquiadora de salão tem prisão preventiva convertida em domiciliar
Primo de Djidja Cardoso depõe em delegacia de Manaus: ‘Tragédia anunciada’
Exclusivo: carro de Djidja Cardoso é encontrado abandonado em avenida de Manaus
Em depoimento, ex-namorado de Djidja confirma tese de investigação

O médico psiquiatra forense Hewdy Lobo Ribeiro (Reprodução/Redes Sociais)

“Considerando que eles estão presos dentro do complexo prisional sem qualquer tipo de tratamento adequado conforme determina a lei, se fez necessária a nomeação urgente do especialista”, explicou Benayon em nova declaração nesta quinta-feira, 6.

Cleusimar, Ademar e Verônica, além dos funcionários do salão de beleza Claudiele Santos da Silva (maquiadora) e Marlisson Vasconcelos Dantas (cabeleireiro), são alvos de um inquérito da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) que investiga a existência de uma seita, chamada “Pai, Mãe, Vida”, que promovia o uso recreativo de cetamina, sedativo de uso animal e restrito.

De acordo com o titular do 1º Distrito Integrado de Polícia, Cícero Túlio, que comanda as investigações, há provas suficientes para indiciar os familiares de Djidja Cardoso, bem como os funcionários da empresa dela.

“Os elementos já coletados durante as investigações são suficientes para indiciar por todos esses crimes”, afirmou o delegado à reportagem no último dia 2.

Leia mais: Saiba detalhes da seita organizada pela família de Djidja Cardoso