Menu

Polícia Suspeito de assassinar sargento diz que recebeu R$ 65 mil pelo crime no AM

Sargento do Exército, Lucas Guimarães, morto no dia 1º de setembro. (Reprodução/ Internet)

Victória Sales – Da Revista Cenarium

MANAUS – Apontado como autor da morte do sargento do Exército, Lucas Guimarães, no dia 1º de setembro deste ano, Silas Ferreira da Silva, de 26 anos, confessou, nesta terça-feira, 23, o crime à polícia. De acordo com informações repassadas pela Delegacia Especializada em Homicídios (DEHS), Silas relatou que a morte foi encomendada por R$ 65 mil e que houve a participação de um segundo suspeito.

De acordo com o titular da DEHS, delegado Ricardo Cunha, essa prisão é decorrente de investigação do caso que está comumente conhecido como “Vitória”. “Esse indivíduo já confessou a participação no crime e afirmou que foi o executor desse delito. As investigações estão todas muito bem delineadas nesse sentido, e elas não vão parar, elas ainda estão em andamento para a gente conseguir fazer a ligação desse executor com possíveis mandantes desse crime”, explicou.

Ricardo relata ainda que o suspeito declarou que foi pago pelo crime. “Ele é uma pessoa altamente fria, uma pessoa com uma vasta passagem criminal. Tem mais de 10 crimes de roubo. Ele, inclusive, passou quatro anos encarcerado, foi liberado no dia 5 de agosto e, em menos de 30 dias, praticou um novo homicídio. Ele foi procurado e executou esse delito. O suspeito informou que recebeu o valor de R$ 65 mil para cometer o crime e todo o material utilizado nesse crime foi passado por um intermediário”, destacou.

Leias mais: Em Manaus, Polícia Civil prende suspeito de assassinar sargento Lucas Guimarães

Em declaração, o delegado contou também que as investigações ainda estão identificando o suspeito intermediário. E quanto à arma do crime, à vestimenta e ao veículo, utilizados no dia do crime, o suspeito informou que tudo foi dado por essa pessoa. “Ele passou seus tamanhos para essa pessoas e ela foi atrás desse material e entregou tudo isso no dia do crime. Segundo o suspeito, ele não sabia que se tratava de uma pessoa de famílias conhecidas na cidade e que nada iria acontecer com ele”, relatou.

O suspeito ficou escondido durante os três meses após o crime. “Ele foi encontrado na Colônia Antônio Aleixo, na zona Leste de Manaus, e nessa segunda-feira, a gente conseguiu fazer um cerco no lugar que ele estava, que era a casa da mãe dele e conseguimos capturar”, contou Ricardo. O delegado explicou também que o suspeito não tinha um lugar fixo, e se declarou ser participante de uma facção criminosa, que vinha lhe dando abrigo.

Com o dinheiro que recebeu do crime, o suspeito contou à polícia que comprou uma motocicleta por R$ 5 mil e o restante ele gastou totalmente em festas, bebidas, drogas e diversão. Sobre o momento da prisão, o delegado conta que nunca houve dúvidas sobre o reconhecimento do suspeito, visto que os vídeos que circulavam nas redes sociais mostravam uma pessoa diferente da que apareceu nas fotos que a polícia havia divulgado.

O crime

O sargento do Exército, Lucas Guimarães, foi assassinato com três disparos de arma de fogo, na cabeça. O crime aconteceu em uma cafeteria em que o sargento era proprietário, localizada na Avenida Ayrão, Boulevard Álvaro Maia, bairro Praça 14 de Janeiro, zona Sul de Manaus. O cabo do Exército estava no local quando foi surpreendido por Silas que se passava por cliente, pediu um café e, logo em seguida, puxou a arma e atirou contra Lucas.

Lucas ainda chegou a ser socorrido e encaminhado para o Hospital Santa Júlia, mas veio a óbito. Segundo as investigações policiais, o envolvimento extraconjugal do sargento com Jordana Azevedo Freire, esposa do empresário Joabson Gomes, dono do Supermercado Vitória, teria sido o motivo para que ocorresse o crime.