Violência doméstica: Cresce número de medidas protetivas no município de Parintins

Prisão preventiva é pedida para quem descumpre medida protetiva (Foto: PC-AM/Divulgação)

18 de maio de 2024

15:05

Emilli Marolix – Da Agência Cenarium

PARINTINS (AM) – Parintins registrou um crescimento no número de medidas protetivas solicitadas pelas vítimas de violências domesticas, segundo os dados da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada de Polícia (DEP). Este ano houve 159 solicitações registrados, 77 pedidos a mais em relação ao mesmo período do ano anterior.

Segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o município de Parintins possui mais de 90 mil habitantes. Só em 2023, foram registradas nos meses de janeiro 22 pedidos, em fevereiro, março e abril 40 solicitações, um total de 82 pedidos de acordo com as estatísticas feitas pela DEP. Neste ano, 47 medidas protetivas foram solicitas no mês de janeiro, em fevereiro foram 38, março e abril 36 e 38, respectivamente.

Para o delegado Paulo Mavignier, diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI), o aumento no número de medidas protetivas se deve aos trabalhos realizados pela DEP e do acolhimento para as mulheres vítimas de violência doméstica.

“Por meio de um trabalho consistente, a delegacia ganhou a confiança da comunidade, criando um ambiente de apoio e compreensão sobre a importância das medidas protetivas. Este esforço conjunto resulta em uma maior segurança e bem-estar para as mulheres parintinenses”, disse.

Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Parintins (Erlon Rodrigues/PC-AM)

A delegada Marna de Miranda, titular da DEP de Parintins, ressalta que o crescimento é resultado do trabalho preventivo e pedagógico realizado pela DEP. “A equipe da delegacia é incansável quando o assunto é levar conhecimento e encorajamento a essas mulheres, e essa tem sido a resposta. Credibilidade do trabalho da Polícia Civil no município de Parintins no combate a violência contra a mulher”, explica.

Marna ressalta que a medida protetiva não é punição do agressor, mas sim uma ferramenta de segurança para as vítimas, pois tem a finalidade de assegurar a sua proteção e de sua família que esteja em perigo, vulnerabilidade e situação de risco,

“Em Parintins isso é uma das nossas prioridades. Se soubemos que o autor descumpriu a medida protetiva que a vítima veio à delegacia solicitar, para que haja paz para aquela mulher, logo representamos pela prisão preventiva deste homem. Assim como, também, saímos em campo para capturá-lo em flagrante”, ressaltou.

Leia mais: Lei Maria da Penha: 15 anos de combate à violência contra a mulher
Editado por Aldizangela Brito