Menu

Meio Ambiente Zona de Desenvolvimento Sustentável pode viabilizar crescimento da bioeconomia na Amazônia

Marcela Leiros e Victória Sales – Da Revista Cenarium

MANAUS – Uma região da Amazônia que concentra 43% dos municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) vai receber um projeto para viabilizar o desenvolvimento sustentável em três Estados: Amazonas, Acre e Rondônia. Na manhã desta terça-feira, 16, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) apresentou o projeto da Zona de Desenvolvimento Sustentável (ZDS) Abunã-Madeira, que pretende potencializar vocações locais como bioeconomia, infraestrutura, logística, turismo, entre outros.

A ZDS engloba 32 municípios localizados no sul do Amazonas, leste do Acre e noroeste de Rondônia, cuja área total é de 454.220 km² e com população estimada, em 2020, de aproximadamente 1,7 milhão de pessoas. A região é emblemática tanto em relação aos desafios ambientais — como pressão sobre o meio
ambiente, especialmente sobre a Floresta Amazônica — quanto à necessidade de desenvolvimento
socioeconômico.

Leia também: Instituições tecnológicas aliam desenvolvimento sustentável à indústria 4.0 na Amazônia

“A ideia é trazer esse cinturão de proteção à floresta com alternativas viáveis para a população, tendo como objetivo fazer com que essa ZDS seja um projeto-piloto exitoso a ser implementado em outras regiões da Amazônia, como o Alto Solimões ou a própria Transamazônica. Nós já temos até conversado com outros governadores sobre já termos aí algumas possibilidades em outros Estados”, explicou a superintendente da Sudam, Louise Caroline Campos Löw.

A ZDS engloba 32 municípios localizados no sul do Amazonas, leste do Acre e noroeste de Rondônia. (Mapas Brasil)

Ainda segundo a superintendente, o enfrentamento de ambas as questões é urgente, sob risco de agravamento de vários problemas como o aumento de ilícitos ambientais, adensamento populacional sobre a floresta e violações de direitos humanos. “Todos os modelos acabam demonstrando que uma região em que há miséria, em que faltam alternativas, os serviços ambientais são colocados ali de uma forma como uma via”, salientou Louise.

Próximos passos

O projeto da ZDS Abunã-Madeira é desenvolvido de forma integrada entre os três Estados e com parceria do Conselho Nacional da Amazônia (CNAL), Ministério da Infraestrutura, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Ministério do Turismo (MTur) e Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

Reunião de apresentação do projeto da ZDS Abunã-Madeira no Amazonas. (Ricardo Oliveira/Revista Cenarium)

Nos próximos dias 17 e 19 de novembro, acontecerão encontros técnicos voltados para a ZDS no Amazonas, Acre e Rondônia. O objetivo é que a Sudam, responsável pelo planejamento da ZDS, apresente a estrutura do Documento Referencial, a metodologia adotada, a problemática socioeconômica, e os quatro cenários alvos de intervenção elencados no documento dos governos estaduais e demais entidades envolvidas.

Leia também: Especial Mamirauá – Turismo vira fonte de renda e desenvolvimento para comunidades ribeirinhas do AM

“Nós, da Sudam, fomos convidados a participar desse projeto e identificamos que nós precisávamos dar um rumo, uma robustez, necessária que fizesse face aos dois grandes problemas identificados na região. O objetivo comum é elevar uma qualidade de vida real à nossa população, colocar o acesso aos direitos fundamentais na mesa da população, e fazer, é claro, uma progressão à nossa floresta”, finalizou Louise Caroline Campos Löw.