Menu

Meio Ambiente Onça-preta morta e exibida em vídeo por caçador é considerada vulnerável por especialistas

Caçador ilegal exibiu, em vídeo, onça-preta abatida na Terra Indígena (TI) Arariboia (Reprodução/Twitter)
Gabriella Lira – Da Cenarium

MANAUS – O vídeo de uma onça-preta morta e exibida por um caçador ilegal começou a circular nas redes sociais nessa quarta-feira, 20, e causou revolta. O caso aconteceu na Terra Indígena (TI) Arariboia, no município de Arame, no Maranhão. Após a repercussão, o suspeito foi preso também na quarta-feira. À CENARIUM, o mestre em Ciências Florestais e Ambientais, Rogério Fonseca, explicou que a espécie é considerada vulnerável. 

“Na região amazônica existem duas espécies de onças: a pintada e a parda. A onça-pintada está quase ameaçada ou vulnerável, a onça-parda é pouco preocupante. Contudo, ambas, por serem animais de topo de cadeia alimentar e serem indicadores de qualidade ambiental, merecem um monitoramento e proteção especial por parte da sociedade”, ressalta Fonseca, que também é coordenador do Projeto Amigos da Onça. 

O pesquisador ainda explica mais detalhes sobre a cor da onça-preta, que se destaca por esta tonalidade de pele. “A onça-pintada possui variações de tons de suas pele, especialmente por excesso de melanina. Este animal geralmente é chamado pelos leigos de ‘pantera-negra’, mas é nada mais do que uma onça-pintada melânica. A parda tem um porte menor e sua tonalidade é bege”, detalha ainda Fonseca.

O vídeo 

O vídeo foi divulgado no Twitter pelo advogado de direitos humanos Diogo Cabral e causou revolta nos internautas. À CENARIUM, Cabral, que atua em defesa de povos e comunidades tradicionais do Maranhão, afirma que a caça ilegal é uma prática comum na área indígena Arariboia.

“É uma prática comum que tem gerado severas ameaças e mortes de quem defende as florestas, como os guardiões do povos indígenas Guajajara e Kaapor. Esse caso revela uma prática criminosa que ocorre em toda a Amazônia brasileira e que abastece mercados clandestinos tanto no Brasil quanto no exterior. É fundamental que o Estado brasileiro enfrente esta situação. Contudo, o atual governo tem estimulado esse tipo de prática”, ressalta Cabral. 

A prisão 

A Polícia Civil do Maranhão informou que o suspeito, que não teve a identidade revelada, foi encontrado com o couro da onça abatida, duas armas de fogo do tipo espingarda, munição calibre 20mm, pólvora e material utilizado na prática de caça de animais silvestres. 

A prisão foi realizada pela Delegacia de Polícia Civil de Arame, vinculada a 23ª Delegacia Regional de Buriticupu. O caçador permanecerá à disposição da Justiça.

Conservação

As espécies de onça, consideradas do topo de cadeia alimentar e indicadores de qualidade ambiental, são monitoradas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), por meio do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros. Em 1967, a prática da caça de animais silvestres foi proibida por lei, com a instauração da Lei de Proteção à Fauna

Pesquisadores de todo o Brasil e gestores públicos de fauna realizam avaliações que compõem um Plano de Ação Nacional (PAN) de conservação dos grandes felinos (Pintada e Parda). Fonseca também faz parte do Grupo de assessoramento técnico do PAN.

“Mais especificamente para a região Norte, nosso Projeto OIAA Onça [Observatório de Imprensa, Avistamento e Ataques de Onças] abrange todo o território nacional e temos colaboradores em outros Estados cooperando na melhor forma de coleta, armazenamento, análise e interpretação de dados e informações sobre onças para gerar políticas públicas e/ou ações gerenciais de manejo de fauna, justamente para não perdermos mais nenhuma onça”, explica Fonseca. 

As onças-pintadas com pelagem escura, conhecidas também como onça-preta ou pantera-negra, possuem essa característica marcante graças a uma mutação genética que as tornam felinos melânicos. O melanismo é uma mutação que eleva a produção da proteína presente no corpo responsável pela pigmentação preta. Ou seja, a pelagem ou plumagem desses animais, em relação ao padrão de cor típico da espécie, é predominantemente mais escura e não ocorre apenas em felinos, mas em várias outras espécies de animais como serpentes, lagartos, roedores, borboletas e anfíbios.