Menu

Cultura Patrimônios arquitetônicos de Manaus marcam a história dos 352 anos da ‘Paris dos Trópicos’

Prédios tombados como Patrimônios Histórico e Cultural de Manaus. (Arte: Guilherme Oliveira)
Gabriella Lira – Da Cenarium

MANAUS – Manaus, cidade-símbolo do apogeu da borracha, celebra 352 anos neste domingo, 24. Desses mais de três séculos, a capital do Amazonas guarda, em muitos dos seus prédios, os traços do contraste da arquitetura clássica grega e romana com a contemporaneidade, mesclando tendências e técnicas arquitetônicas da atualidade. Isso pode ser visto, principalmente, no Centro da cidade. A REVISTA CENARIUM foi atrás e mostra, nesta reportagem, um patrimônio arquitetônico rico e valioso que permanece preservado no decorrer do tempo.

No Brasil, o reconhecimento formal de um patrimônio material é o tombamento, que representa o reconhecimento do valor histórico, artístico ou cultural do lugar, levando em conta sua função social para preservação da identidade de uma comunidade e transformando-o em patrimônio oficial público. O jornalista, artista plástico, historiador e escritor amazonense Otoni Mesquita explica mais sobre o patrimônio arquitetônico da cidade.

“Para ser considerado um patrimônio, nem sempre implica em ser uma coisa muito antiga, pode ser uma coisa tradicional e que persiste. Em geral, as pessoas têm uma noção de que patrimônio sempre são construções do século 19 para trás”, explicou o pesquisador.

História

A CENARIUM conversou com Otoni em um dos símbolos do patrimônio histórico de Manaus, o Museu da Cidade de Manaus, que funciona no Paço da Liberdade, no Centro da cidade. Em 1956, o Paço passou a ser considerado parte integrante do Patrimônio Histórico do município de Manaus pela Lei n° 565, de 26 de maio do mesmo ano. A fachada do prédio histórico é considerada uma das últimas representações da arquitetura neoclássica no Brasil.

“Estamos dentro de uma construção do século 19, que se transformou em um museu, mas é carregada de história. Temos uma parte significativa da nossa história aqui, que são as urnas funerárias de algumas etnias que habitavam nessa região antes do (homem) branco se instalar. Essas manifestações, desses povos de diferentes etnias que habitaram aqui, deveriam ser priorizadas e supervalorizadas. Mas, ainda estamos no processo de valorização”, explica Otoni.

O jornalista, artista plástico, historiador e escritor amazonense Otoni Mesquita. (Reprodução/Facebook)

Conheça os prédios tombados como patrimônios históricos de Manaus:

Teatro Amazonas 

Inaugurado em 1896 e localizado no Largo São Sebastião, Centro histórico de Manaus, o Teatro Amazonas foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional em 1966. Com capacidade para 701 pessoas no salão de espetáculos, distribuídas entre a plateia e três pavimentos de camarotes, a maior parte do material usado na construção do local foi importada da Europa.

Com mais de 30 lustres de vidro Murano, piso com desenho geométrico formado por 12 mil peças de madeira encaixadas, a cúpula é composta de 36 mil escamas de cerâmica esmaltada e possui telhas vitrificadas. 

Relógio Municipal

Instalado em 1929 na avenida Eduardo Ribeiro, bem próximo a também histórica Catedral de Nossa Senhora da Conceição, o Relógio, que possui uma engrenagem de origem suíça, tem aproximadamente cinco metros de altura.

Com mostradores colocados nos dois lados, o Relógio Municipal permite a visualização das horas nos dois sentidos da avenida onde se localiza. Ao redor dos mostradores existe a inscrição filosófica latina “Vulnerant omnes, ultima necat“, ou “Todas ferem, a última mata”, significando que “cada hora fere a nossa vida até que a última a roube”.

O Relógio Municipal de Manaus (Alex Pazuello)

Mercado Adolpho Lisboa

Simbolizando a comercialização de produtos regionais de Manaus, o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, localizado na rua dos Barés, Centro de Manaus, é mais uma herança da rica e bem-sucedida fase econômica do Ciclo da Borracha. Foi inaugurado em 1883 com influências de construções europeias e uma arquitetura em estilo Art Nouveau. 

O mercado Adolpho Lisboa, em Manaus. (Mário Oliveira/Semcom)

Igreja da Matriz

A igreja Nossa Senhora da Conceição, conhecida como Igreja da Matriz, localizada na Praça Osvaldo Cruz, Centro de Manaus, foi construída em 20 anos, entre 1858 e 1878, por missionários carmelitas. Os sinos da igreja foram importados de Portugal e instalados em 1875.

A construção contém traços rústicos com predominância de linhas retas e a fachada do prédio está dividida em dois andares. Suas escadarias sugerem o desenho de uma lira. 

A Igreja da Matriz, em Manaus. (Ingrid Anne/Manauscult)

Praça Heliodoro Balbi  e Palacete Provincial

Localizada na Avenida 7 de Setembro, a Praça Heliodoro Balbi, mais conhecida como “Praça da Polícia”, ocupa uma área de 8.515 m². O nome se tornou popular por conta das constantes apresentações realizadas pela banda da Polícia Militar no local que, até o ano de 2004, abrigou o Comando-Geral da PM, no Palacete Provincial.

Parte da Praça Heliodoro Balbi e o Palacete Provincial. (Reprodução/SEC-AM)

Biblioteca Pública do Amazonas

Construída entre 1905 a 1910, a Biblioteca Pública do Amazonas, localizada na rua Barroso, Centro de Manaus, foi projetada pelo arquiteto paraense José Castro de Figueiredo. Sofreu um incêndio em 1945, perdendo quase todo o acervo e a ala sul do prédio, que foi reconstruída e reaberta dois anos mais tarde. Tem uma arquitetura de estilo eclético, com predominância de elementos clássicos. 

O prédio histórico da Biblioteca Pública, localizado na Rua Barroso, Centro de Manaus. (Reprodução/SEC-AM)

Alfândega de Manaus 

Inaugurado em 18 de janeiro de 1909, o prédio da Alfândega, localizado na rua Marquesa da Santa Cruz, Centro de Manaus, tem estilo medieval mouriscado e as pedras usadas na construção foram importadas da Europa. Fica interligado ao porto flutuante de Manaus, às margens do rio Negro. Não é aberto para visitação pública. 

O prédio da Alfândega, também no Centro de Manaus. (Reprodução/Iphan)

Igreja São Sebastião 

Na ‘esquina’ do Teatro Amazonas, a Igreja São Sebastião foi inaugurada em 1888, antes do término da obra em 1893. A igreja chegou a passar por uma reforma entre as décadas de 20 e 30. Na ocasião, foram feitas algumas alterações na fachada do prédio, que tem traços medievalistas, principalmente góticos, mas a predominância é do aspecto Neoclássico.

A Igreja de São Sebastião, em Manaus. (Reprodução)

Museu da Cidade de Manaus 

O Museu da Cidade de Manaus foi criado pelo prefeito João de Mendonça Furtado, em 1982, e fica localizado na Rua da Instalação, na estrutura da Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Semed). Mais de 20 anos depois, em 2005, o projeto do Museu da Cidade foi retomado, passando agora a abrigar o Paço da Liberdade, antiga sede da Prefeitura. 

A fachada do Paço da Liberdade, em Manaus. (Márcio James/Semcom)

Palácio da Justiça

Localizado na avenida Eduardo Ribeiro, foi construído há mais de 100 anos para ser a sede do Poder Judiciário do Amazonas. O prédio foi revitalizado e funcionava desde 2006 como Centro Cultural, com exposições e atividades artístico-culturais. O Centro Cultural Palácio da Justiça tem dois pisos e sua arquitetura é uma mistura de vários elementos arquitetônicos, como o Renascentismo e o Neoclássico.  

O Palácio da Justiça, em Manaus. (Michael Dantas)

Palácio Rio Branco 

O Palácio Rio Branco fica ao lado da praça D. Pedro II e do Paço da Liberdade.  É a antiga sede da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). Atualmente, o prédio abriga administrações de alguns órgãos públicos municipais. No hall de entrada, há uma pequena exposição sobre o Poder Legislativo aberta ao público.

O Palácio Rio Branco, em Manaus. (Reprodução)