Menu

Central da Política Senadores do Amazonas gastaram quase 1 mil salários-mínimos com o ‘Cotão’ em 2021

Os senadores Plínio Valério (à esq.), Eduardo Braga (no centro) e Omar Aziz (à dir.) (Arte: Catarine Hak)
Ana Carolina Barbosa – Especial para Revista Cenarium

MANAUS – Os três senadores amazonenses gastaram, juntos, nos dez primeiros meses deste ano, mais de R$ 1,04 milhão, por meio da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap) e de ressarcimentos de serviços prestados aos gabinetes, mas não inclusos no chamado ‘Cotão’, apontam dados do portal da Transparência do Senado Federal. O valor, que corresponde a 947 salários-mínimos, é 62,52% maior que a média de 2020 para o mesmo período.

Segundo o Portal da Transparência, em 2020, primeiro ano de pandemia no Brasil, foram gastos pelos senadores Omar Aziz (PSD), Eduardo Braga (MDB) e Plínio Valério (PSDB), R$ 769.648. A média para o período de janeiro a outubro do mesmo ano foi de R$ 641.372. À época, parte das sessões plenárias foi realizada remotamente, e outra parte, de forma híbrida, conforme ocorre até hoje.

O senador Omar Aziz foi o que apresentou o maior gasto, em 2021: R$ 452.580, ou, 525% a mais que no ano anterior, quando sua média de gastos para 10 meses foi de R$ 72,4 mil. Em 2020, ele foi o que menos utilizou o benefício entre o trio de parlamentares. Os gastos do atual exercício incluem a participação de Omar, como presidente, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, que apura as suspeitas de crimes ocorridos entre 2020 e 2021, especialmente durante os picos da pandemia da Covid-19 no País, e que indicou a maioria dos personagens a serem indiciados, entre membros e ex-representantes da cúpula do governo do presidente Jair Bolsonaro.

O segundo colocado no ranking de gastos foi o emedebista Eduardo Braga, que utilizou R$ 330.696, neste ano, 9% a mais que a média do exercício anterior, época em que ele foi considerado o campeão de gastos entre os representantes do Amazonas. Em último lugar ficou o senador de primeiro mandato Plínio Valério, que utilizou R$ 259.095, neste ano, 2,5% a menos que a média de 2020.

Maior parte da verba foi destinada à Comunicação

A um ano das eleições gerais no Brasil, a maior parte do valor utilizado pelos senadores, a partir do Cotão, foi direcionada para a “contratação de serviços de apoio ao parlamentar”. Foram R$ 670 mil (64,2% do total) para consultoria em desenvolvimento de conteúdo multimídia (redes sociais), gerenciamento e estratégias de mídias digitais e online, consultoria em comunicação e marketing e produção de material gráfico e impresso.

Omar Aziz, que nos bastidores é tratado como pré-candidato à reeleição, destinou R$ 270 mil às empresas Uplink Assessoria e Consultoria e Caravelas Consultoria e Comunicação; Eduardo Braga, considerado pré-candidato ao Governo do Amazonas, pagou R$ 250 mil à empresa L Coelho Serra; Plínio Valério direcionou R$ 150 mil à empresa C Freitas do Nascimento.