Menu

Polícia Entidade dos direitos das mulheres representa ação no MP contra homem ‘fantasiado’ de goleiro Bruno

Marcela Leiros – Da Revista Cenarium

MANAUS – O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) recebeu representação contra o homem que usou uma fantasia do goleiro Bruno, acusado de matar a modelo Eliza Samudio, em uma festa de Halloween em Manaus. A representação foi formulada pela União Brasileira de Mulheres-Seção Amazonas (UBM-AM) e recebida pelo procurador-geral de Justiça, Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior, e pelo promotor Antônio José Mancilha, da 57ª Promotoria de Justiça de Direitos Humanos e Cidadania, nessa segunda-feira, 9.

O homem na mira do MP-AM usou, no dia 1º deste mês, uma fantasia considerada por entidades de defesa do direitos das mulheres como de apologia ao feminicídio da modelo e atriz Eliza Samudio, assassinada pelo ex-goleiro do Flamengo há cerca de 11 anos. A cena foi retratada e reproduzida nas redes sociais em todo o Brasil, chegando, inclusive, à mãe de Eliza Samudio, Sônia Moura, e ao filho da vítima, atualmente criado pela avó.

Leia também: EDITORIAL – Por que ‘fantasias’ de feminicidas são ‘despercebidas’ por uma sociedade

A coordenadora nacional da UBM, Vanja Santos, afirmou à CENARIUM que a organização pretende levar o processo à frente e pede que o homem seja punido pelo fato. “É um absurdo total. Estamos empenhadas em que seja aberto processo investigativo. De qualquer forma, ficou claro que temos que estar vigilantes em todas as frentes com a finalidade de que situações como essa sejam inibidas por ações efetivas dos órgãos fiscalizadores da lei”, enfatizou Vanja.

Reunião dessa terça-feira, 9, quando a UBM-AM entregou a representação ao MP-AM. (Divulgação)

Entenda o caso

Na festa que ocorreu no Porão do Alemão, cujo um dos proprietários é o vereador William Alemão (Solidariedade), o homem pousou para uma foto usando uma camisa de time de futebol segurando um saco de lixo preto com a inscrição ‘Eliza’. O perfil da rede social do estabelecimento causou polêmica entre defensores dos direitos das mulheres e ativistas políticos após a casa de festa compartilhar a foto do frequentador da casa.

Na ocasião, o assunto teve repercussão nacional e a mãe da Eliza Samúdio se manifestou sobre a situação. “Parece que a pessoa não tem um pingo de empatia com o próximo. Será que a pessoa não sabe que tem o filho dela, que é menor, envolvido nisso tudo? Fiquei arrasada quando vi isso. Muito triste”, disse ela após a repercussão.

Na época, a defensora dos direitos da mulher, ativista materna e bacharel em Direito, Alessandrine Silva, por exemplo, afirmou que violência contra mulher não é piada e o Porão do Alemão compactuou com o discurso de ódio contra as mulheres ao compartilhar a foto do homem no Instagram. Alessandrine lembrou ainda que, em 2020, uma mulher morria a cada sete horas no Brasil.

“Nos dois primeiros meses de 2021, o Amazonas registrou mais de 1 mil denúncias de violência doméstica. Em 2020, uma mulher morria a cada sete horas no Brasil. Violência doméstica contra mulher não é piada e o Porão do Alemão ao publicar a foto compactuou com discurso de ódio contra nós”, declarou Alessandrine.

O estabelecimento afirmou que não compactua com apologia ao crime e declarou que a imagem foi publicada por um estagiário que desconhecia o assassinato.